O Twitter vai proibir propaganda eleitoral paga no Brasil

Compartilhar:

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) liberou candidatos políticos a fazer propaganda eleitoral na internet. Isso quer dizer que eles poderão exibir anúncios ou impulsionar posts em diversas plataformas – Facebook, Instagram e Google. Entretanto pelo que parece o Twitter ficará de fora dessa lista.

A rede social informou ao Jornal Globo por meio de nota que as políticas de anúncios da plataforma não vão permitir a veiculação de propaganda eleitoral paga durante o período. A explicação para isso é que para atender as exigências do TSE, o Twitter precisaria desenvolver novas ferramentas, e o Twitter disse que não possui ferramentas para regular o que políticos podem fazer dentro da rede social e ainda acompanhar a legislação eleitoral brasileira sobre campanhas – a Justiça Eleitoral brasileira ainda não tem uma regulamentação específica para propagandas veiculadas em redes sociais.

"O Twitter Brasil informa que suas políticas de anúncios não permitirão a veiculação de propaganda eleitoral paga na plataforma durante a campanha de 2018 no país. A legislação eleitoral brasileira estabelece determinadas obrigações relacionadas a transparência por parte de candidatos, partidos e coligações que fizerem propaganda eleitoral paga na internet. Diante disso, o Twitter decidiu iniciar a venda deste tipo de publicidade somente quando as ferramentas apropriadas para facilitar essa transparência estejam disponíveis na plataforma", disse o Twitter Brasil.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, os candidatos podem fazer campanha eleitoral nas redes sociais antes de efetivamente começar o período eleitoral, em 15 de agosto. O que eles não podem fazer é pedir votos de maneira direta aos usuários da rede. Você pode denunciar qualquer irregularidade ao Ministério Público Federal, pelo site ou por telefone.

Outras redes como Facebook e Instagram não restringem o contrato de publicidade eleitoral até o seguinte momento.

Nenhum comentário